sexta-feira, abril 21, 2017

O Fim, Dizer Adeus

Esses dias tem sido um pouco difíceis.
Minha mãe passou por uma cirurgia e o que nos preocupou foi o fato dela estar um pouco debilitada. Mas ocorreu tudo bem, graças a Deus.
E logo de manhã recebemos a triste notícia que a esposa de um amigo antigo da família, desmaiou na rua e foi levada direto para o hospital.
Uma mulher saudável, que depois de criar os filhos estava agora realizando seus sonhos, pouco a pouco.
Pois é, ironia do destino, uma piada de muito mau gosto. Hoje se encontra no hospital com morte cerebral. Ela teve um AVC. Irreversível.
Ano passado também foi embora uma amiga minha. Mãe dos meninos que frenquentavam minha casa. Agora que ela estaria aproveitando a vida, foi embora. Essas situações deixam a gente com uma pergunta.
PRA QUE TANTO SACRIFÍCIO?
Vejo minha mãe e meu pai o tempo passou depressa demais pra todos nós. Ou foi eu quem não parou pra ver.
Esses sustos são pra nós aprendermos e pararmos um pouco pra VERMOS o que só veremos nessas horas tão tristes. Quando dizer adeus já não é uma opção, mas sim uma realidade nua e crua.
Faça o que tiver que ser feito, não tenha medo da ingratidão, não tenha medo de ser chamado de frouxo, tonto, etc. Não se afaste das pessoas com medo de sofrer. Sofra junto com elas.
Ria junto com elas, faça o seu melhor, mesmo os outros dizendo que fulano não merece.
Porque um dia a hora do adeus chegará e eu posso te garantir que mesmo feito tudo, ainda pensará que poderia ter feito muito mais.
No final o acerto será com Deus e com a sua consciência.
Um dia o capítulo se chamará FIM!

Quase morri na Véspera de Natal

Abri os olhos, respirei fundo. Mais um dia. Véspera de Natal.
Mais um dia pra quê?
Fechei os olhos novamente na tentativa que voltar a dormir. Dormindo a gente não pensa. Dormindo a gente não se sente sozinho, dormindo a gente não sente nada. Mas quem disse que o sono veio.
Chega uma hora na vida da gente que não é possível mais chorar. 
Há quem pense que a depressão é o mesmo que se sentir vazio. Mas para mim, a depressão é resultado de muitas coisas dentro da gente. Medos, ansiedades, tristezas, frustrações, impotência, excesso de culpa, excesso de tudo que dizem pra você ser.
"Você precisa ser forte, você é mais do que imagina", etc. frases prontas que lemos e ouvimos o tempo todo. Porque na verdade o depressivo enche o saco, depressivo é egoísta, acha que só ele sofre nesse mundão. E é por isso que todos querem que você fique bem LOGO, pra que pare de encher o saco.
Depressão é mentir pra si mesmo todos os dias, sendo o que não é, fazer aquilo que não gosta, engolindo sapos e lagartixas, porque você aprendeu que deve ser educado, mas não te ensinaram que vale a pena dizer NÃO DE VEZ EM QUANDO. É ter medo de não ser aceito e quando não te aceitam você não sabe o que fazer e se culpa por ser DIFERENTE.
Olhei pra mim e vi uma criatura medonha, sem brilho no olhar, sem vontade de viver. Olhei pra mim e senti pena, uma pessoa cheia de tantas coisas, aprendi tantas coisas... fiz tantas coisas. Pra quê?
Olhei pra mim e vi uma criatura que eu não queria ver. Enfraquecida por uma tristeza imensa. Até meus cabelos sem vida acompanhavam o visual deprimente. Olheiras profundas e aquele olhar que não engana ninguém.
Não, não chorava mais.
Olhei para gaveta onde ficavam os remédios, havia lá várias cartelas de anti-depressivos e calmantes. Peguei-os e coloquei sobre a mesa ao lado de um copo d'água. Olhei pra eles e pensei. Aqui acaba tudo isso.
Já vi isso antes, minha tia fez, a minha tia-avó e meu tio avô também. Então, qual é o problema?
Ir para o inferno? Onde seria o inferno? Aqui, talvez!?
Comecei a retirar os comprimidos das cartelas, um a um. Não pensava em nada a não ser no alívio que eu iria sentir depois daquilo.
Nada mais de solidão, nada mais de culpa, nada mais  de medos, ansiedades, frustrações, esperanças destruídas, desilusões, esperar até o final para ser feliz. Não estava com medo.
Fui tirando, até que já não havia mais nenhum nas cartelas. Juntei todos com a mão e a outra peguei o copo. Levei-os até minha cama. Não queria que me encontrassem caída no chão. 
Sentei-me na cama. E minha cabeça pela primeira vez estava em silêncio. Sentia uma paz que fazia tempo que não sentia.
E com os comprimidos na mão e eu sozinha em casa, levei-os até a boca. 
Estava decidida a não sofrer mais. 
Pensei, se tivesse alguém aqui que me dissesse, chore, pode chorar. Pode sofrer. Não é feio não ser forte. Chore sim.
Não é feio amar alguém, não é feio ter preguiça, não é feio querer estar perto das pessoas que amamos, não é feio não ser materialista, não é feio acreditar nas pessoas e fazer tudo por elas e mesmo assim receber uma ingratidão. Pode chorar....
Hey, olhe pra mim, tudo vai ficar bem, você vai ficar bem. Mas hoje você pode sofrer. 
Pensei no alívio que seria não ver mais tanta maldade nesse mundo, pensei também que não veria mais tanta injustiça. Isso não é covardia, é tristeza de ver o mundo como ele realmente é. Não suportar ver as pessoas se matando, se agredindo, se ofendendo e você só desejando PAZ E MUITO AMOR.
Abri a boca pra colocar os comprimidos e dessa vez eu chorei.
Vi meus filhos chorando por minha causa, meus pais, meu marido, percebi a culpa que eles iriam levar por UM ato MEU. Entendi que isso não me livraria da dor, mas sim causaria mais dor. Talvez até um círculo vicioso.
Nesse momento, vi meus cachorros o tempo todo ao meu lado, me olhando preocupados, sim, eles sentem as merdas que a gente vai fazer. 
E dessa vez chorei copiosamente. Entre soluços, e gritos de desespero dentro da alma, senti meu coração aliviar.
Pedi perdão pra mim, falei que eu era bacana, que eu era uma pessoa da hora, aquele tipo de pessoa que a gente merece e precisa conhecer. Falei pra mim também que tudo iria ficar bem, que além de tudo eu sou linda.
Falei pra mim, já sofreu bastante né meu amor?  Mas se precisar chorar mais, estarei aqui do seu lado.
E eu me abracei, eu me dei carinho, aquele mesmo carinho que eu dava para as pessoas ao meu redor, àquelas que estavam sofrendo e eu fiz comigo o que eu fazia com elas, fui paciente, não julguei, apenas fiquei ali.
Levantei-me, segui até o banheiro. Meus passos pareciam nas nuvens, joguei todos os comprimidos no vaso sanitário e dei descarga. Vi ali indo embora uma fuga desesperada de mim. Sempre estamos cheios de NADA, e vazios de TUDO. QUEM TEM DEPRESSÃO SABE O QUE ESTOU FALANDO. 
E eu mais uma vez ergui a cabeça.
Se você tem depressão, fica aqui meu recado pra você. Pode sofrer, pode chorar, você é linda (o), uma pessoa bacana demais... 
Jogue no vaso sanitário essas porcarias aí. Inclusive esse nada que é tudo.
Um dia, outro dia, mais um dia.... sejamos donos de nós mesmos.
Sem a obrigação de sermos aquilo que os outros querem.

quinta-feira, abril 13, 2017

Envelheci

Sim, envelheci e também envelheceram comigo ideais e dogmas que na verdade só me afastaram do meu sucesso.
Sucesso esse que não se encontra nas coisas, nos termos de "ter". Envelheci certos sonhos, amores, encontros e reencontros, pois não há sonho vivido e idealizado por um só quando se trata disso.
Envelheci a vontade de ter isso, ou aquilo, para ser alguém respeitado. Percebi que para ser respeitado precisa-se ir além disso. 
Não me importo mais com certas coisas e pessoas não me incomodam, não me atingem, porque sequer me lembro que elas existem.
Envelheci também, além da pele, além do corpo a idéia de ser perfeita. Ah! Isso é impossível. Descartei roupas, sapatos, mas deixei guardados os livros que li, as pessoas que amei e os dias felizes porque é tudo que restou de uma vida até aqui.
Envelheci e eu sei disso, pois meus cabelos brancos escondidos pela tintura teimam em aparecer, assim como as verdades. Verdades essas que por mais que as escondam um dia elas aparecerão.
E a minha verdade? 
A minha verdade é que envelheci, meu corpo envelheceu, sinto o tempo fazendo pressão em cada movimento meu. Senti o despertar dos filhos crescendo, cortando o cordão umbilical e indo viver longe de mim. A minha verdade é que sentei-me e de repente vi o tempo passar, mas não enxerguei que a vida passou.
Envelheci, rodeada de "coisas", mas ainda me resta algum tempo.
Pois meu corpo envelheceu, mas a minha alma não.

quarta-feira, abril 12, 2017

O Violão Destruído

.....um violão destruído! Caramba... 
Revista "violão e guitarra" na mão e um violão.
Sentávamos na escada, cantávamos canções que ainda estão entre as melhores até hoje.
De repente a gente percebe que teve o melhor e é esse melhor é o que nos mantém nessa jornada.
Doces lembranças de uma juventude com altos e baixos. Naquele prédio chamado carinhosamente de "treme-treme". Na avenida João Dias, em Santo Amaro, SP. 

Ah! Histórias mal contadas, ou contadas pela metade. 
Um violão, um caderno e uma revistinha "Violão e Guitarra". Sobe e desce escada, aperta campainha, risadas, amigos e quem sabe talvez mais do que isso.
E o violão? Num ataque de fúria, destruído...apenas a revista restou.
Uma história mal contada e nós jovens demais para acertar. 
A trilha sonora da juventude embutida na alma. 
O silêncio na escada, portas fechadas e a luz do corredor oscilando.
A canção gravada na memória, onde ninguém pode alcançar.

Unidos pela Internet

Meu dia se completou hoje é incrível o que a internet é capaz de fazer. 
Creio eu seja uma das mais belas invenções até hoje. 
Hoje pude reunir minha família através dos aplicativos Skype e Messenger do Facebook.
Tudo bem que foi por pouco tempo, mas foi divertido ter meu marido e meu filho "perto" de mim.
Então, se você tem o privilégio de ter seu marido, esposa, filhos, etc. Por perto, aproveite, pois você não sabe até quando poderá usufruir da companhia deles. Diga sempre que os ama, pois a vida é um fio muito frágil.
Feliz de você que pode abraçar e beijar quem está pertinho!

terça-feira, abril 11, 2017

Minha mãe é uma peça 2

Desde que anunciou a sequencia do filme, eu tive a certeza que dessa vez eu iria morrer de tanto chorar.
Mas "pera aí", não é um filme de Comédia?  
Um filme simples, mas que diz tudo. Três lições para aprender.
1- a vida passa você querendo, ou não. E chegará uma hora que não haverá ninguém mais pra contar suas histórias e nunca esqueça de dizer que você ama alguém. Diga sempre, todos os dias, todas as horas, pois chegará um dia que você vai achar que disse isso muito pouco.

2-chegará uma hora que os filhos irão embora, faz parte da vida e por mais que você tente impedir, isso não será possível. E você entende então que isso é necessário. Você respira fundo e entra no quarto, abre o guarda-roupa e não vê mais nada. Nem o cheiro existe mais.
Aí você anda pela casa vazia e ela é assombrada pelas lembranças, pelos gritos, pelas risadas, pelos castigos e discussões sem fim e pensa que gostaria de viver tudo aquilo de novo. E mais um inverno chega, as ligações vão dimuindo e você vai esquecendo até mesmo da voz.
Você chega a conclusão que aquele ciclo se fechou e eles não precisam mais de você. É uma mistura de sentimentos.
Então você anda pela casa vazia e compreende de uma vez por todas que agora é só você.

3-o que restou? Seus irmãos... sim, serão as únicas referências que teremos. Eles contarão nossos podres, nós discutiremos, brigaremos, mas é isso que vai sobrar até que cada um se despeça de nós, mas dessa vez, não será uma escolha.  E é por isso que compreenderemos que a vida é pra ser vivida. Sem medos, sem neuras e longe do preconceito. Quem ama, ama sempre!

E depois de chorar e sentir tanta saudade dos tempos que foram e não voltam mais, respiramos fundo, erguemos a cabeça e vamos sofrer em grande estilo. De preferência em Nova Iorque.
E dessa vez quem se despede, somos nós!




Zé Neto e Cristiano

É engraçado como somos tão frágeis e ao mesmo tempo temos que ser de aço. Pensar e agir com a força tremenda de um raio e um tufão. 
Há algum tempo me vi numa tristeza tão profunda que eu tinha a absoluta certeza de que a minha querida companheira de guerra, a depressão estava querendo me fazer companhia novamente.

Não dormia, não comia e tudo o que fazia era chorar e chorar. 
A gente tem que ser forte, as pessoas sempre nos dizem isso. Mas elas não sabem que já estávamos sendo fortes o suficiente para que nossas forças se dissipassem.
Chorei mares e universos (não é exagero)... é fato!

Quando a gente é mãe, tudo o que a gente quer é que os filhos não sofram e imagina-los longe de nós é um martírio. E eles voam para fora do ninho. 
Mas o  que tem a ver "Zé Neto e Cristiano"? 
Tem a ver que quando eu estava muito mal mesmo.... os vi cantando na tv, um semblante calmo e um carisma fenomenal. Eles praticamente têm idade para serem meus filhos e foi isso que me confortou.
Por quê? Porque se estivessem nas barras, debaixo das asas de suas mães não estariam ali.
Tudo tem um preço e paga quem tem coragem.
Ouvi a música "te amo" e ela encheu meu coração. E pensei... "poxa vida, a mãe deles devem estar orgulhosas". Pensei... também na saudade que elas sentem, no vazio que ficou, mas ao mesmo tempo, penso que elas devem olhar para eles e dizerem: VALEU TUDO!

E hoje eu acordei bem, adotei eles como filhos.
o ninho ainda está aqui. 


O Fim, Dizer Adeus

Esses dias tem sido um pouco difíceis. Minha mãe passou por uma cirurgia e o que nos preocupou foi o fato dela estar um pouco debilitada. Ma...